''DO NOT ABANDON YOUR BEST FRIEND''

O CÃO É O ÚNICO QUE NÃO SE IMPORTA SE VOCÊ É RICO OU POBRE, BONITO OU FEIO. O CÃO É O ÚNICO QUE REALMENTE SENTE A TUA AUSÊNCIA E SE ALEGRA DE VERDADE COM O TEU RETORNO, PORTANTO, JAMAIS ABANDONE SEU MELHOR AMIGO.



UM RAIO DE LUZ

''UMA ANTIGA LENDA DIZ QUE QUANDO UM SER HUMANO ACOLHE E PROTEGE UM CÃO ATÉ O DIA DE SUA MORTE, UM RAIO DE LUZ, QUE NÃO PODEMOS ENXERGAR DESTE PLANO DA EXISTÊNCIA, ILUMINA O CAMINHO DESTE SER PARA SEMPRE!''




sábado, 30 de novembro de 2013

CÉU E INFERNO? SIM, ELES EXISTEM !

Até hoje, ninguém explicou de maneira mais simples o viver e morrer do Shakespeare em Hamlet.
Existe em suas enigmáticas palavras uma pergunta que nos dá a duvida da certeza de que, sim, existe algo que iremos vivenciar depois da morte, ela faz parte da vida, do momento que vivemos agora, de como vivemos agora. Como somos e como deveríamos ser, ou poderíamos ser.

Creio que todos já vivenciaram um momento de absoluta paz e tranquilidade. Aquele tipo de momento passageiro que gostaríamos que jamais terminasse. Aquela sensação de grandiosidade, de alegria que quase não podemos descrever. Em geral, este momento vem quando fazemos algo de bom, algo por alguém e ao ver a felicidade que proporcionamos ao outro, somos contemplados e agraciados com este momento de paz que gostaríamos de perpetuar.  Este momento é  um pequeno exemplo do que podemos chamar de CÉU, na realidade, é o CÉU que poucos entendem e percebem.

Creio também, que todos ja tiveram um pesadelo, aquele sonho prolongado e angustiante do qual queremos acordar e fugir e respiramos aliviados ao abrir os olhos e nos damos conta que tudo aquilo foi apenas um sonho ruim, um pesadelo. Agora imaginem nunca mais acordar e viver e reviver este pesadelo eternamente, eu disse eternamente. Isso, é o INFERNO que poucos entendem e percebem.

Ao se falar em CÉU e INFERNO, quase sempre pensamos em anjos, luz, Deus e paraíso, ou em fogo ardente queimando nossa pele e num diabo nos espetando, quando pensamos no Inferno.
Não, CÉU e INFERNO existem  e são bem mais reais do que se pode imaginar, são também, respectivamente, eternos e um é além do que imaginamos sobre paz e tranquilidade, outro um pesadelo interminável.

Ora, todos dormem, dormir é uma forma de morrer, é  uma parcela do que chamamos de morte. É um momento no qual nos desligamos por completo da realidade e restauramos um pouco a nossa energia para seguir adiante e é neste momento de completa ausência, que sonhamos e podemos experimentar um pouco do CÉU ou do INFERNO.

E morrer? Sim, morrer? Neste momento melhor do que ninguém fez até hoje, Shakespeare nos dá uma dica e responde. "MORRER, DORMIR, DORMIR E TALVEZ SONHAR, MAS QUE SONHOS ESTRANHOS PODEM SURGIR DO SONO DA MORTE?"

Ser ou não Ser

Hamlet: Ser ou não ser, essa é a questão: será mais nobre suportar na mente as flechadas da trágica fortuna, ou tomar armas contra um mar de obstáculos e, enfrentando-os, vencer? Morrer — dormir, nada mais; e dizer que pelo sono se findam as dores, como os mil abalos inerentes à carne — é a conclusão que devemos buscar. Morrer — dormir; dormir, talvez sonhar — eis o problema: pois os sonhos que vierem nesse sono de morte, uma vez livres deste invólucro mortal, fazem cismar. Esse é o motivo que prolonga a desdita desta vida.

William Shakespeare, in "Hamlet"

Sim, não iremos queimar eternamente em fogo algum, nem seremos espetados por diabo algum, o inferno do qual devemos ter medo é ainda pior, é eternamente vivenciar um pesadelo do qual jamais iremos acordar. Ja a paz que poderemos vivenciar, será finalmente aquele momento que aqui apenas sentimos ligeiramente e gostaríamos que se tornasse eterno. E será eterno!
(Siegmar)

Nenhum comentário:

Postar um comentário