''DO NOT ABANDON YOUR BEST FRIEND''

O CÃO É O ÚNICO QUE NÃO SE IMPORTA SE VOCÊ É RICO OU POBRE, BONITO OU FEIO. O CÃO É O ÚNICO QUE REALMENTE SENTE A TUA AUSÊNCIA E SE ALEGRA DE VERDADE COM O TEU RETORNO, PORTANTO, JAMAIS ABANDONE SEU MELHOR AMIGO.



UM RAIO DE LUZ

''UMA ANTIGA LENDA DIZ QUE QUANDO UM SER HUMANO ACOLHE E PROTEGE UM CÃO ATÉ O DIA DE SUA MORTE, UM RAIO DE LUZ, QUE NÃO PODEMOS ENXERGAR DESTE PLANO DA EXISTÊNCIA, ILUMINA O CAMINHO DESTE SER PARA SEMPRE!''




domingo, 5 de junho de 2011

CINCO ANOS COM MEU AMIGO FELIPÃO / UM PRESENTE DE DEUS

O GRANDE FELIPÃO - BIG FELIPÃO

Já escrevi neste blog sobre o dia em que encontrei Felipão.

Caminhando sem rumo, muito magro, com fome, sedento,
doente e cansado.
Lembro quando se aproximou e muito triste encostou sua cabeça na minha perna.
O acaricie e percebi que ele ligeiramente estremeceu, como que
agradecendo, pelo momento e gesto de carinho.
Bom, isso tudo foi a cinco anos atras. Dia 05/06/2006.
Hoje Felipão está saudável, gordo e feliz. Apesar de ter uma carinha
de zonzo e meio triste, isto é apenas impressão.
Adora ficar deitado no sol, cobrindo os olhos com as patas, isso é algo
que faz com frequencia.
Adora dar um passeio todos os dias. Gosta de saborear ao menos tres pãezinhos
adormecidos por dia, fora a ração, naturalmente.

Felipão esta ficando velho. Suas barbas embranquecem todos os dias um pouco mais.
Deve estar com oito anos agora, sete, com toda a certeza. Quando o encontrei perambulando e abandonado, a veterinária calculou que deveria estar com uns dois anos, no máximo. Assim, se estiver certa, sete anos, talvez alguns meses mais.
Mas isso não importa, ainda esta forte como um touro. Preciso me segurar em postes e cercas algumas vezes, quando ele resolve correr atras de um cachorro ou algo que lhe chame a atenção.
Mas em geral ele é muito educado e calmo.
É, meu amigo e eu estamos ficando idodos aos poucos.
Felipão algumas vezes é um pouco rabujento com os mais novos de casa, não gosta muito de ser incomodado com a bagunça dos mais novos, que correm e pulam por cima dele quando esta descansando, costuma dar uns resmungos, e em geral, por alguns momentos, consegue impor respeito, mas, não por muito tempo.

Sempre considerei Felipão como um presente especial e único. Um presente de Deus para mim.
Ter um Dog alemão sempre foi um sonho, mas jamais eu compraria um. Sou completamente contra a comercialização de animais. Qualquer animal. Passaros, por exemplo, deveriam voar livres, nunca serem confinados a vida inteira em gaiolas e viveiros. Enfim, animais devem ser livres.
Bom, encontrar um Dog alemão abandonado não é algo muito comum. Assim, tenho a certeza que foi um presente do bom Deus. Talvez, tenha sido uma forma que ele encontrou para me agradecer pelos outros cães, aos quais consegui salvar durante o passar dos anos.
Sim, Deus nos presenteia a cada dia. O nascer do sol, o florescer de uma flor, a chuva, o vento, as aves e os animais, e porque não, colocando um Dog alemão em nosso caminho?

Quando vejo diariamente ainda tantos animais perambulando sem destino, abandonados, fico imaginando
que devem ser presentes de Deus para alguém. Talvez estejam abandonados para encontrar e pertencer a alguém especial, que os ame e lhes de uma vida digna, e que acima de tudo perceba, que este pequeno animal abandonado, entrou em suas vidas, como um presente do bom Deus.
Fico imaginando como seria bom viver num mundo, onde crianças e animais nunca fossem jogados no lixo, ou abandonados. Um mundo onde não existissem prisões nem gaiolas.
Sim, fico imaginando viver num mundo onde não houvessem mais lágrimas, mas se ouvessem, que fossem de alegria.

Felipão é meu maior amigo de quatro patas, maior em todos os sentidos. Mas recebe o mesmo carinho
que Dingo, Panda, Pelé, Espeto, Tuffi, Pinguim, Gleisie, Bonnie, Pitchulinha, Miucha, Baby, Karol, Nina, Tigrinha, Céci, Tikinha e Ritinha, estes, os caninos, mas tenho dois felinos igualmente especiais, Fifi e Gracioso.
É com esta turma que Felipão mora e tem que aguentar.
Me culpo algumas vezes por não ter mais tempo sobrando para dar a todos mais atenção.
Gostaria de já estar aposentado e ter o tempo livre apenas para me dedicar a eles e outros animais, mas por enquanto, isso não é possível. Mas eles parecem compreender que preciso ficar fora grande parte do dia,e sempre que chego em casa, sou recebido como um rei que esteve fora do seu reino durante anos.
Felipão costuma me dar cabeçadas, literalmente me empurra com a cabeça. Até receber o devido carinho e atenção, é sua forma de se comunicar e dizer, bem vindo de volta, cadê o rango e os pãezinhos?
Depois, mais sossegado, costuma deitar no velho sofá e roncar, e resmungar quando digo que é hora de ir para fora dormir.

É, o mundo nunca mais será perfeito, só irá piorar e se tornar mais e mais agressivo, retribuindo
na mesma moeda com a qual lhe estamos pagando. Com o descaso e a indiferença para com a criação do bom Deus.
Mas individualmente, alguns de nós, ao invéz de apenas reclamar, podemos salvar e aceitar um destes presentes que Deus coloca em nossos caminhos. Fazendo o mundo ao menos um pouco melhor.
Existem muitos Felipões, Dingos, Pandas e Graciosos abandonados. Todos eles estão a procura de uma nova chance de vida, que apenas poderá lhe ser dada, por aqueles que, no momento em que cruzarem seus
caminhos, os vejam e os aceitem como um presente, uma dádiva de Deus.
Volto a repetir, Felipão foi o meu presente, a minha dádiva e nestes cinco anos, me deu muitos sorrisos e também lágrimas, mas somente lágrimas de alegria.
Obrigado meu bom Deus, por um dia ter colocado esta bela criatura em meu caminho. Foi o melhor, maior e mais lindo presente que recebi.
(Siegmar e Felipão)

2 comentários:

  1. Ah...eu me encantei nas imagens e texto...encanto e emoção! Parabéns por ser essa pessoa sensível, por repassar tanto amor aos animais!

    (meus 3 cães tbm estão de barbas brancas...e meu coração dói...)

    abraço...um ótimo domingo prá vc!

    ResponderExcluir
  2. Linda postagem. Pena que poucas pessoas façam o que você faz. Como lembro do primeiro dia do Felipão. Fico feliz em vê-lo assim.

    ResponderExcluir