''DO NOT ABANDON YOUR BEST FRIEND''

O CÃO É O ÚNICO QUE NÃO SE IMPORTA SE VOCÊ É RICO OU POBRE, BONITO OU FEIO. O CÃO É O ÚNICO QUE REALMENTE SENTE A TUA AUSÊNCIA E SE ALEGRA DE VERDADE COM O TEU RETORNO, PORTANTO, JAMAIS ABANDONE SEU MELHOR AMIGO.



UM RAIO DE LUZ

''UMA ANTIGA LENDA DIZ QUE QUANDO UM SER HUMANO ACOLHE E PROTEGE UM CÃO ATÉ O DIA DE SUA MORTE, UM RAIO DE LUZ, QUE NÃO PODEMOS ENXERGAR DESTE PLANO DA EXISTÊNCIA, ILUMINA O CAMINHO DESTE SER PARA SEMPRE!''




domingo, 19 de setembro de 2010

HÁ UMA QUADRILHA NO PLANALTO

"Afirmo que o governo Lula é o mais corrupto de nossa história nacional. Corrupção tanto mais nefasta por servir à compra de congressistas, à politização da Polícia Federal e das agências reguladoras, ao achincalhamento dos partidos políticos e à tentativa de dobrar qualquer instituição do Estado capaz de se contrapor a seus desmandos."
A violenta afirmação não foi feita por José Serra nem por FHC nem por ninguém do PSDB e muito menos por este insignificante colunista. A frase acima abre um artigo publicado, algum tempo atrás, na Folha de S. Paulo e assinado pelo filósofo e professor de Harvard Roberto Mangabeira Unger. Mas, ao contrário de ter sido desmentido e/ou processado, o prof. Mangabeira acabou sendo nomeado por Luiz Inácio, no início do segundo mandato, ministro extraordinário de Assuntos Estratégicos. Foi a maneira encontrada pelo companheiro-presidente para calar o sotaque rebuscado e às vezes ininteligível do brasileiro/norte-americano.
O fato é relembrado pelo jornalista Ivo Patarra, no e-livro O Chefe, que ele prefere chamar de livro-blog, lançado on line e ainda à disposição dos interessados, que também poderão adquiri-lo em versão impressa em papel.
Trata-se de um trabalho de pesquisa que focaliza, com minúcia de detalhes, o marco inicial da corrupção petista no governo federal: o famigerado mensalão ("o maior esquema de corrupção de todos os tempos no Brasil"), que desmascarou os canalhas Waldomiro Diniz, Marcos Valério e "o nosso Denúbio", além de apear do poder o mentor José Dirceu.

Ao exigir o impeachment do presidente, Mangabeira Unger afirmou que Lula "comandou, com um olho fechado e outro aberto, um aparato político que trocou dinheiro por poder e poder por dinheiro e que depois tentou comprar, com a liberação de recursos orçamentários, apoio para interromper a investigação de seus abusos".

Depois disso, Mangabeira bandeou-se para o lado dos "bandidos", traçou uma série de projetos mirabolantes, como o PAS - Plano Amazônico Sustentável, que gerou a demissão da senadora Marina Silva do Ministério do Meio Ambiente, e não falou mais no assunto. Mas a corrupção continuou solta. Ampliou-se, modernizou-se, consolidou-se.
As recentes denúncias da imprensa (Veja e Folha de S. Paulo) dão conta de que uma verdadeira quadrilha instalou-se no Palácio do Planalto, conduzida pela Casa Civil.
Dirceu idealizou o mensalão; Dilma Rousseff interferiu na Receita Federal, fabricou dossiês e deu à luz Erenice Guerra, seu braço direito e sucessora. Erenice, mãe de lobistas, transformou o gabinete contíguo ao do presidente da República em central de tráfego de influência, mediante nada módicos pagamentos mensais. A permanência da ministra se tornou insustentável, mas outra figura petista de igual escol ocupará o lugar, empunhando a bandeira da moralidade administrativa...
E Lula, o que tem a dizer? Nada. Nem lhe foi perguntado. Não tem nada a ver com o que se passa no próprio governo, como se sabe.

Mangabeira Unger ficou nesse governo até junho do ano passado, quando se julgou suficientemente recompensado pelo silêncio e retornou às salas de aula de Harvard. Mas deixou na lembrança de muitos algumas afirmações inesquecíveis, como, por exemplo, que "o presidente, avesso ao trabalho e ao estudo, desatento aos negócios do Estado, fugidio de tudo o que lhe traga dificuldade ou dissabor e orgulhoso de sua própria ignorância, mostrou-se inapto para o cargo sagrado que o povo brasileiro lhe confiou".
Por tudo isso, ingênuo eleitor, se você insistir em eleger o sargentão, e já no primeiro turno, não estará apenas passando um atestado de imbecil como terá o governo que merece.
E não se esqueça de reeleger os deputados que compõem a atual Mesa Diretora da Assembléia Legislativa do Paraná.
A nós, desgraçados conscientes, restará torcer pela previsão Maia, que garante que isso tudo só durará até dezembro de 2012. Se chegarmos lá.

CÉLIO H. GUIMARÃES
JORNAL O ESTADO DO PARANÁ
edição 19/09/2010

(apenas uma opinião pessoal)

Um comentário:

  1. Bom, agora eu pude ler e entender. De tudo, fica o que conversamos, e ainda está escrito ali mesmo, "se não podes contra eles, junte-se a eles". Isto é o que vem acontecendo ultimamente neste país.
    Tere.

    ResponderExcluir