''DO NOT ABANDON YOUR BEST FRIEND''

O CÃO É O ÚNICO QUE NÃO SE IMPORTA SE VOCÊ É RICO OU POBRE, BONITO OU FEIO. O CÃO É O ÚNICO QUE REALMENTE SENTE A TUA AUSÊNCIA E SE ALEGRA DE VERDADE COM O TEU RETORNO, PORTANTO, JAMAIS ABANDONE SEU MELHOR AMIGO.



UM RAIO DE LUZ

''UMA ANTIGA LENDA DIZ QUE QUANDO UM SER HUMANO ACOLHE E PROTEGE UM CÃO ATÉ O DIA DE SUA MORTE, UM RAIO DE LUZ, QUE NÃO PODEMOS ENXERGAR DESTE PLANO DA EXISTÊNCIA, ILUMINA O CAMINHO DESTE SER PARA SEMPRE!''




quinta-feira, 10 de novembro de 2011

UM PASSEIO NO PASSEIO PÚBLICO DE CURITIBA

O Passeio Público é o parque mais antigo de Curitiba.

O "Passeio" ocupa 69.285 m2 dentro do centro da cidade e é um dos mais importantes símbolos de Curitiba e uma grande área verde em plena área urbana, que apresenta espécies da fauna e flora paranaenses (ou não), como: sabiá, tico-tico, chupim, sanhaço, garça branca, carvalho, jacarandá, canela, ipé-amarelo entre outros.

Durante muitos anos o Passeio Público foi o nosso Zoológico. Felizmente os animais receberam um novo espaço, longe do agito e barulho da cidade e cada um com um espaço maior. Não vou dizer uma vida mais digna, afinal, vida digna seria eles poderem viver livres em seu próprio habitat natural.
Mas isso é outra história, a qual ainda irei contar em outra postagem, quando apresentarei a todos um amigo muito especial que conheci hoje neste lugar.

No final da dédaca de 60 e nos primeiros anos da década de 70, passear aos domingos no Passeio Público era tradição de muitas famílias. Eu mesmo passei incontáveis domingos neste lugar.
Andavamos de pedalinho no lago artificial do lugar, e isso era maravilhoso, não se sentia o tempo passar.

Atualmente existem apenas aves no lugar e algumas espécies de macacos, como o macaco Prego. Felizmente vivem agora numa das pequenas ilhas do Passeio, livres, não mais em viveiros.
Muitos pássaros também ganharam a sua liberdade e hoje voam livres sobro o passeio e se reproduzem seguros nas árvores do lugar.
Algumas vezes algumas garças podem ser vistas voando sobre a cidade.

Olhando com atenção a foto acima, podemos ver pequenos pontos negros entre as folhar. São pequenos macacos subindo e descendo as árvores, fazendo macaquices e brincando entre si.
Esta pequena casa era o antigo serpentário do lugar, atualmente existe outro bem maior. Vários tipos de serpentes e aranhas. Quando pequeno, este lugar sempre me assustava um pouco.
Perambular pelo lugar ainda é agradável. Eu pessoalmente apenas não gosto de ver algumas espécies atualmente em extinção, presas em viveiros,
sem poderem voar livres com suas pequenas asas, aliás, nenhum pássaro deveria ser preso em gaiolas ou viveiros.
Como por exemplo este gavião real. Imagino ele livre e solto, voando alto e mergulhando por entre as nuvens. Sim, este deveria ser o seu lugar.

Alguns tem mais sorte, como este pequeno mergulhão. Passeia livre pelo parque entre o vai e vem das pessoas.
Grande parte nem o percebe, apenas passam indiferentes e perdidos, distante de tudo o que foi lhes dado pelo bom Deus.
Penso em como seria um mundo melhor, se todos pudessem olhar através dos meus olhos,
escutar os sons que eu escuto e conversar com os pequenos irmãos da natureza que nos cercam.
Mesmo que fosse um simples, "olá, como vai pequeno amigo?" Sim, seria um mundo melhor!
E foi pensando nisso, enquanto tirava mais algumas fotos, que senti alguém me observando de perto.
Me virei e lá estava ele.
Resolvi tirar uma foto, afinal o amigo estava fazendo pose, e quando terminei de o fotografar, pude escutar a sua voz em meu pensamento.

"Olá, disse ele, que prazer em vê-lo por aqui em pessoa e não apenas em meus sonhos."

Este é o meu amigo do qual estou falando, seu nome?

Seu nome é Fernão Capelo Pelicano.

Descobri que ele é parente de um outro Fernão que algumas pessoas ainda devem recordar, quem se lembra do Fernão Capelo Gaivota? Bom, o Fernão Gaivota é um primo de terceiro grau do meu amigo aqui.

Fernão conseguiu escutar o que eu estava pensando, sobre as aves poderem voar livres e por alguns minutos conversamos sobre o
assunto.
Vou dividir com vocês o que conversamos, mesmo não seguindo o conselho do meu amigo Fernão, que entre outras coisas me disse:

"Não vá falar a ninguém que conversamos, ou vão dizer que você é maluco."

Sim, talvez eu seja, mas eu disse para ele que não me importava o que os outros pensam ou iriam pensar, afinal, eu também converso com cães, gatos e Deus.
Bom, ao ouvir isso, ele deu um sorriso, sim, realmente deu um sorriso.
O que Fernão me falou e contou é triste, mas ao final ele me deixou uma mensagem, uma lição e uma grande esperança.
Qualquer hora eu conto tudo para vocês, até lá.
(Siegmar)

2 comentários:

  1. Achei a postagem lindíssima. Acho que sei o que o Fernão disse a você. Ele, provavelmente se queixou da indiferença da maioria das pessoas para com os animais!

    ResponderExcluir
  2. Oi Sieg... Então o seu "amigo Pelicano" é mais real do que pensei! Preciso conhecê-lo, tenho certeza que vai me falar de você; e ficar feliz quando souber que sou sua irmã...rsrs.. A postagem sobre o passeio público de nossa Curitiba está muito bem
    feito! Você daria um ótimo guia de turismo! Continue com esse seu trabalho lindo!

    ResponderExcluir