''DO NOT ABANDON YOUR BEST FRIEND''

O CÃO É O ÚNICO QUE NÃO SE IMPORTA SE VOCÊ É RICO OU POBRE, BONITO OU FEIO. O CÃO É O ÚNICO QUE REALMENTE SENTE A TUA AUSÊNCIA E SE ALEGRA DE VERDADE COM O TEU RETORNO, PORTANTO, JAMAIS ABANDONE SEU MELHOR AMIGO.



UM RAIO DE LUZ

''UMA ANTIGA LENDA DIZ QUE QUANDO UM SER HUMANO ACOLHE E PROTEGE UM CÃO ATÉ O DIA DE SUA MORTE, UM RAIO DE LUZ, QUE NÃO PODEMOS ENXERGAR DESTE PLANO DA EXISTÊNCIA, ILUMINA O CAMINHO DESTE SER PARA SEMPRE!''




quarta-feira, 6 de julho de 2011

CIRCULANDO PELA LINDA CURITIBA

Estou a trabalho. Indo comprar duas passagens para um passeio de trem para dois visitantes que vieram da alemanha.
Bom motivo para algumas fotos da nossa cidade.
Esta é a velha rua Visconde de Guarapuava, sempre agitada. É final da tarde, são quase cinco horas, aos poucos esta chegando a hora do rush. Curitiba tem muitos encantos e surpresas.

Nossa estação Ferroviária.
Um passeio de trem sempre é sempre algo unico. A paisagem é encantadora e a ferrovia é cheia de tuneis e belas vistas.
Deixar de fazer este passeio, é não saber o que está se perdendo. Nada de trem bala, apenas uma daquelas locomotivas à diesel, arrastando vagões entre as curvas da montanha.

Os trens tem algo especial, encantam, são uma fantasia.
O lento sacudir, o barulho da locomotiva, os apitos, enfim, magia pura.
Faz a gente sonhar, com lugares além da imaginação. Lugares como as imagens da pequena maquete que enfeita a estação.

Uma cidade imaginária, representando um pouco a nossa cidade, mas apenas em algumas construções. Bom se fosse assim. Mas nossa imaginação se perde entre os trilhos da pequena maquete.
Curvas, tuneis, pontes, trens em movimento transportando cargas e pessoas imaginárias.
Fantasia e realidade se encontram, lado a lado,nos fazem sonhar.

Consigo me imaginar subindo os degraus para alcançar a pequena igreja. Entro, rezo e admiro o imaginário.
Ao longe, um trem se aproxima, em alguns instantes irá passar pela pequena ponte.
Quisera eu estar nele, sem paradas, apenas seguir em frente, olhando e registrando em minha mente cada detalhe que me fosse permitido.
Mas é hora de acordar e seguir em frente, o trabalho não permite longos devaneios.
Somos escravos do relógio e da responsabilidade. Infelizmente!

Esta é a outra parte da nossa estação Ferroviária. Chegadas e partidas, voltas e adeus até nunca mais. Lágrimas e sorrisos, de tristeza e alegrias de reencontros.
Fatos diários, entre as partidas e chegadas. De alguma forma, esta parte da estação é mais triste do que a outra, a dos trens, aqui, algumas distâncias separam demais, pessoas, vidas e pensamentos. Esta parte tras lembranças, alguma alegres, outras nem tanto.

Onibus chegam de todas as cidades do estado e de todos os Estados do país. Horas inimagináveis dentro de um deles. Nunca sabendo ao certo, o que o novo destino trará. Algumas vezes, deixando preocupações, com o que ficou na distância,mesmo que apenas por alguns dias.
Claro que alguns deles,levam a passeios, para praias e campos, momentos de algria e descanços merecidos. O ir e vir quase infinito, que de alguma forma, nos prepara para a nossa partida final.

O velho Mercado Municipal. Para mim,um marco. Foi o primeiro lugar que conheci, ao vir pela primeira vez para Curitiba.
Eu era criança, seis ou sete anos. Me lembro, que meu pai me comprou neste lugar, um pequeno carrinho de plástico, impossível esquecer.
Atualmente esta sendo todo reformado e modernizado, mas continua com o seu encanto de sempre. Cheio de surpresas e bons lugares para um lanche.

Um milhão de frutas diferentes, tudo o que se pode comer e imaginar. Compotas, nozes, bebidas, verduras, enfim, tudo.
Me faz pensar, como pode existir fome neste mundo? Com tanto o que ele tem a oferecer?
Vejo os preços,alguns bem acima do meu poder aquisitivo, mas aqui e alí, chego até a me dar algum prazer. A vida é curta! Sei que nem sempre será assim, um dia, diante da maldade e indiferença do homem, em relação a este pequeno planeta, um dia, todas estas
prateleiras estarão vazias, restarão apenas lembranças e imagens como esta.

Mas preciso voltar ao trabalho.
Mais uma paradinha e, eis aí a nossa rua 7 de Setembro. Conhecida e longa.
Curitiba é uma bela cidade para se viver, sempre foi.
Claro que cresce mais do que deveria, tem problemas e poucas soluções, mas ainda não se pode reclamar, se comparada com outras grandes cidades.
Construções novas em todos os cantos, indicam que em breve, aí sim, os grandes problemas irão começar.

Ultima imagem do dia, o começo da descida da velha rua da primeira foto e a rua do Herval.
Isto é apenas mais um pouco da minha bela cidade. Uma cidade de todas as raças e religiões. Uma cidade com as quatro estações do ano no mesmo dia. Uma cidade antiga e moderna. Feliz e recheada de boas pessoas. Nem sempre muito simpáticas, como cariocas e catarinenses, mas boas pessoas que a todos recebem bem!
(Siegmar)

Um comentário: