''DO NOT ABANDON YOUR BEST FRIEND''

O CÃO É O ÚNICO QUE NÃO SE IMPORTA SE VOCÊ É RICO OU POBRE, BONITO OU FEIO. O CÃO É O ÚNICO QUE REALMENTE SENTE A TUA AUSÊNCIA E SE ALEGRA DE VERDADE COM O TEU RETORNO, PORTANTO, JAMAIS ABANDONE SEU MELHOR AMIGO.



UM RAIO DE LUZ

''UMA ANTIGA LENDA DIZ QUE QUANDO UM SER HUMANO ACOLHE E PROTEGE UM CÃO ATÉ O DIA DE SUA MORTE, UM RAIO DE LUZ, QUE NÃO PODEMOS ENXERGAR DESTE PLANO DA EXISTÊNCIA, ILUMINA O CAMINHO DESTE SER PARA SEMPRE!''




sábado, 23 de março de 2013

CURITIBA 320 ANOS - A CIDADE DE TUDO E DE TODOS

 CURITIBA, CIDADE-MENINA

Curitiba, cidade menina
paisagem do meu amanhecer.

Por toda parte, a marca de meus passos,
o fantasma de meus sonhos.

Jardins, pomares,
pinheiros e mais pinheiros,
onde moravam sabiás cantores
e bem-te-vis moleques

As torres da Catedral
olhavam por cima dos sobrados.

Carroças de Santa Felicidade
trepidavam no calçamento das ruas
e faziam tremer a voz cantante
das colonas italianas:
- "Qué comprá lenha,
batata doce, repolho,óvo!"

Bondes elétricos circulavam, vagarosos,
do centro para os bairros.

Perdia-se nos longes
o pregão do peixeiro português:
-"Pei.....xe! Camarão!"

Corria pelas ruas
o anúncio dos pequenos jornaleiros:
- "Gazeta do Dia"
- "Diário da Tarde!"

Estudantes eletrizavam a cidade
com sua ruidosa juventude.
Acotovelavam-se risos e conversas de crianças,
pombos brancos a caminho da escola.

Recordo Curitiba adolescente..
Uma névoa de saudade
me envolve o coração.

(Helena Kolody 1997)
 
Dia 29/03 Curitiba festeja seu aniversário.
320 anos, uma cidade criança, uma cidade-menina, como diz no belo poema nossa cidadã Helena Kolody.
Impossível não amar Curitiba. Seu tempo maluco, suas quatro estações no mesmo dia.
 
Curitiba dos festivais de música e de teatro.
 
Curitiba dos ligeirinhos e ligeirões, dos interbairros, dos bi-articulados,
dos táxis que sempre faltam.
 
Curitiba dos sebos, da feirinha do Largo da Ordem aos domingos, Curitiba dos bosques e praças.
 
Curitiba dos pinheiros e ipês floridos, Curitiba do meu, do seu e do nosso coração.
 
Impossível não te amar, não desejar viver sempre em ti, minha bela cidade.
 
Curitiba de Lala Schneider, de Leminski e de Kolody.
 
Curitiba  das ciclovias, do Bar do alemão e
do calçadão sempre cheio de gente indo e vindo.
 
Curitiba da Rua das Flores, das bancas de jornais em cada esquina,
Curitiba dos japoneses do Uberaba, dos polacos da Barreirinha, dos alemães do Xaxim e do Boqueirão,
Curitiba dos ucranianos, portugueses, árabes e Curitiba dos italianos de Santa Felicidade.
 
Como não te amar? Impossível não se deixar encantar.

Curitiba do Oilman, personagem urbano e querido. Faça frio ou calor, sol ou chuva, não importa, voce sempre pode encontrar o Nelson pedalando sua magrela pelas ruas.
De sunga e sempre brilhando,  como brilha a bela Curitiba.

Gente Boa, gente comum, gente simpática e gente de cara fechada, curitibanos são poucos, quase sempre, catarinenses, gauchos, paulistas e Cariocas, Curitiba sempre será de tudo e de todos.
Curitiba de Bóris, o gato preto e carinhoso da pequena livraria.
 
Curitiba de Polaca e Marrom, dois viralatas simpáticos que adotaram como lar o coração da cidade, a Praça Tiradentes.
 
Curitiba da alegria e da tristeza, dos encontros e reencontros em cada esquina.
 
Curitiba das crianças, dos jovens, dos adultos e idosos.
Curitiba do Passeio Público, impossível esquecer.
 
Curitiba da bibliotéca, da cinematéca e da gibitéca.
 
Curitiba do lazer, sempre tem o que se pode fazer.
 
São muitos encantos, são tantos caminhos e ruas tranquilas.
 
Ah, tem o Mon, o museu do olho de Oscar Niemeyer e  tem um shopping em cada esquina.
 
Curitiba dos coxas, dos atleticanos e paranistas, sempre dá confronto, quebra quebra, infelizmente. Mas Curitiba é a cidade de tudo e de toda esta gente.
(Siegmar)
 
Seguem algumas imagens tiradas ao acaso desta minha, sua, nossa bela cidade.









       CURITIBA - 29/03/2013                                                                                  320 ANOS
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário