''DO NOT ABANDON YOUR BEST FRIEND''

O CÃO É O ÚNICO QUE NÃO SE IMPORTA SE VOCÊ É RICO OU POBRE, BONITO OU FEIO. O CÃO É O ÚNICO QUE REALMENTE SENTE A TUA AUSÊNCIA E SE ALEGRA DE VERDADE COM O TEU RETORNO, PORTANTO, JAMAIS ABANDONE SEU MELHOR AMIGO.



UM RAIO DE LUZ

''UMA ANTIGA LENDA DIZ QUE QUANDO UM SER HUMANO ACOLHE E PROTEGE UM CÃO ATÉ O DIA DE SUA MORTE, UM RAIO DE LUZ, QUE NÃO PODEMOS ENXERGAR DESTE PLANO DA EXISTÊNCIA, ILUMINA O CAMINHO DESTE SER PARA SEMPRE!''




terça-feira, 2 de agosto de 2011

CIDADE DE TODA A GENTE

Curitiba, cidade de toda gente.
Alemães, italianos, poloneses, japoneses, arabes, ucranianos, todos curitibanos.
Curitiba da Barreirinha dos poloneses, do Uberaba dos japoneses, do boqueirão dos
alemães, da Santa Felicidade dos italianos, tudo isso é Curitiba, capital do Paraná e
terra dos pinheiros e pinhões.
Frio, chuva, calor, vento e geadas, algumas vezes, tudo no mesmo dia.
Curitiba dos festivais e feiras, feirinha do Largo da Ordem, aos domingos, faça chuva ou faça sol,
lá estão as barraquinhas que vendem de tudo.
Festival do teatro, todo ano tem. Assim como a Oficina de Música, o teatro de bonecos, as feiras
da uva e do vinho, do pessego e do morango.
Curitiba de poetas e sonhadores, de Leminski e Lala Schneider.
Praças, bosques e parques, verde e lagos, ligeirinhos e biarticulados que levam você, para todos os lados.

Impossível não amar esta cidade.
Dizem, que o curitibano é meio sério, mentira, todos sabem sorrir e todos são amigos.
Mas difícil mesmo, é encontrar um curitibano, são quase todos gaúchos, catarinenses,
argentinos, paulistas e cariocas, até mineiro e nordestino tem.
Quer comer bem? Restaurantes é que não faltam, basta escolher a comida de que país você
tem mais vontade, lá está um restaurante, que te mata a fome e a saudade.
Curitiba dos coxas, atleticanos e paranistas. Curitiba do atlétiba.
Curitiba dos caminhos e passeios, seja de trem, a pé ou de carrinho, até onibus turistico tem,
vai a todos os bosques e parques, com frio ou calor.
Que tal comer um barreado? Morretes é logo alí, pode descer a Graciosa e que tal descer o rio de bóia?
Tem grutas e pedras em Vila Velha, tem até praias e muito sol. Tudo pertinho, como se fosse no coração da amada cidade.
Mas bom mesmo é ficar por aqui, circular pelas ruas e avenidas, principalmente aos domingos, enquanto a cidade ainda dorme.


Caminhar no Botânico, ou no velho Passeio Público. Perambular pelos parques Tanguá ou Tinguí.
Juntar uns pinhões que caem dos pinheiros, ver as pacas e os ganços.
Mas é bom levar um agasalho e uma sacola, pois pode esquentar, ou esfriar a qualquer momento.
Guarda chuva? Recomendo, aquele bem pequeno, dobrável, ninguém percebe, mas é bom estar
prevenido, afinal, estamos falando de Curitiba.
Shoppings e cinemas também não faltam, quase em cada bairro tem um. Cheio de livrarias, lanchonetes e docerias.
Paz e corre corre, tem de tudo um pouco, tem maluco na cidade, não estranhe, se num dia frio, quase abaixo de zero, você cruzar com um ciclista, apenas de sunga e brilhando como uma luminária,
é apenas o Oilman, pedalando pela cidade, gente fina, meio maluco, mas inofensivo.
Tem também o cara que grita, reclama todo dia, sempre um protesto novo, grita e berra, sai andando, e grita de novo, sempre a mesma frase.
Tudo isso é Curitiba, triste, alegre, quente e fria.
Tem barzinhos e teatros, o velho Paiol com musicas quase todos os dias.
Tem o Beto Batata, a Jacobina e o Parangolê.
Bater papos com amigos, se perder na madrugada, tudo isto, na Curitiba tão amada!

É isso aí, isso é um pouco mais sobre a minha cidade. Para guardar, lembrar e matar a saudade.
(Siegmar)

Um comentário: