''DO NOT ABANDON YOUR BEST FRIEND''

O CÃO É O ÚNICO QUE NÃO SE IMPORTA SE VOCÊ É RICO OU POBRE, BONITO OU FEIO. O CÃO É O ÚNICO QUE REALMENTE SENTE A TUA AUSÊNCIA E SE ALEGRA DE VERDADE COM O TEU RETORNO, PORTANTO, JAMAIS ABANDONE SEU MELHOR AMIGO.



UM RAIO DE LUZ

''UMA ANTIGA LENDA DIZ QUE QUANDO UM SER HUMANO ACOLHE E PROTEGE UM CÃO ATÉ O DIA DE SUA MORTE, UM RAIO DE LUZ, QUE NÃO PODEMOS ENXERGAR DESTE PLANO DA EXISTÊNCIA, ILUMINA O CAMINHO DESTE SER PARA SEMPRE!''




sábado, 30 de junho de 2012

GRITOS E LAMENTOS AO DEUS ESQUECIDO

Milhares de pessoas estão certas que algo irá mudar em 2012. O fim do mundo para alguns, final dos tempos para outros, uma nova consciência cósmica para outros tantos, e para alguns idiotas, cometas e estrelas cadentes chamadas de Nibirus e Elenins irão destruir a terra. Sem esquecer o famoso calendário Maia.
Quanta idiotice, quanta merda o ser humano pode acumular e ainda querer mudar e ter uma consciência cósmica e superior.
Até eu já acreditei em algumas destas merdas, ao menos me deixei impressionar por alguns segundos.
Confesso de coração, que eu gostaria que tudo fosse realmente verdade. Que em dezembro, toda esta hipocrisia, corrupção e crescente indiferença acabasse com tudo e com todos.
Acabariam as injustiças, acabaria a fome e a miséria, a desigualdade e principalmente, acabaria a indiferença.
Mas sinto decepcionar os milhares que acreditam em todo este lixo, sinto decepcionar principalmente àqueles que acreditam numa nova consciência da humanidade. Mais fácil os Maias e seguidores de Nibirus e Elenins estarem certos, do que surgir uma nova consciência nestes seres hipócritas blindados pela ganância, avareza, indiferença, corrupção e egocentrismo.

Não será desta vez, ainda não. Não será em dezembro que ouviremos os choros e ranger de dentes, nem os gritos de desespero.
Mas, até dezembro e muito além dele, escutaremos milhares de outros gritos de lamento. A cada dia os escutamos, mas a nossa indiferença nos ensurdece a cada dia mais e mais.
O fim do mundo ou final dos tempos é a cada dia um pouco, mas poucos o percebem.
Hoje é para o seu vizinho, amanhã poderá ser e será a sua vez, a nossa vez.

Sim, até dezembro e além dele, ainda ouviremos muito gritos e lamentos. Gritos de mães chorando sobre o caixão de seus filhos, ou ente queridos, mortos, assassinados pelas drogas. Pelas mais diferentes drogas.
A cada dia crianças e jovens morrem mais e mais e pais gritam a dor pela perda de seus filhos. Mas não ouvimos estes gritos, não queremos ouvir, nos negamos a fazer parte dele, indiferentes, apenas lamentamos. São filhos de outros, não são os nossos, ainda não. Apenas saberemos o que é o fim do  mundo ou o final dos tempos, quando acontecer com alguém muito perto de nós.
Ai talvez acordaremos, pensaremos e gritaremos. Mas nem assim, uma nova consciência irá surgir.
Sim, para quem perde um ente querido, especialmente um filho, é um pouco o fim do mundo. Pois sabe que aquele ser poderia ter tido um destino diferente, mas o que não compreende, é que ele morreu devido ao silêncio e a indiferença dos demais.

Sim, até dezembro e além dele, ainda ouviremos muitos gritos e lamentos. Gritos de mães chorando sobre o caixão de seus filhos, ou ente queridos, vítimas de motoristas bebados, embriagados dirigindo como loucos. Insanos que irão matar e destruir a vida de muitas famílias.
E em dezembro, quando o Natal chegar, estes bebados impunes, irão festejar com suas famílias a impunidade e a hipocrisia no qual o Natal se transformou. Irão festejar, beber e sorrir, enquanto lágrimas descem pela face das mães e pais que enterraram seus filhos. Sim, indiferentes a tudo isso diremos: "Feliz Natal", isso ainda não aconteceu conosco, apenas quando acontecer saberemos que o mundo acaba de findar um pouco mais. Nova consciência? Quantas famílias já perderam seus filhos e amigos e algo  mudou? Nasceu alguma nova consciência? Milhares continuam dirigindo embriagados e senhores de si de que com eles isto nunca irá acontecer. Hipócritas, seu final de mundo está bem mais próximo do que imaginam.

Sim, até dezembro e além dele, ainda ouviremos muitos gritos e lamentos. Gritos de mães chorando sobre seus filhos morrendo de fome. Gritos distantes, os quais poucos se importam. Mas são vítimas da indiferença, vítimas da desigualdade, vitimas da corrupção e dos corruptos a quem o mundo laureia e presta homenagens.  Sim, vitimas da hipocrisia de todos, de milhares que mesmo vendo e sabendo que crianças e pessoas morrem de fome, jogarão no lixo no dia seguinte, o que sobrar da próxima ceia de Natal  e orgulhosos irão para suas igrejas festejar o aniversário do Senhor.
Sim, escutarão estes gritos ao longe, mas se negarão em aceitar que fazem parte da causa, que são tão responsáveis pelo fim da vida e do mundo destes seres, quanto os governantes corruptos que laureiam e aplaudem.
Quão imundo se tornou o ser humano, quão indiferente e avarento. Será que foi isso que aprenderam com suas mais diferentes seitas e religiões?

Sim, até dezembro e além dele, ainda ouviremos os gritos e lamentos. Gritos de mães chorando sobre o corpo sem vida de seus filhos e ente queridos, assassinados e violentados por guerrilhas, por terroristas, por fanáticos religiosos, por ditadores que se negam a deixar o poder. E a indiferença do mundo e dos outros governantes, que se dizem civilizados e respeitáveis, simplesmente irá permitir que estes gritos continuem interminávelmente. Apenas quando começarem a ouvir os gritos e lamentos de sua própria gente, talvez alguns acordem, tarde demais, mas talvez irão acordar.
Milhares ficarão calados e indiferentes diante dos gritos, dizendo serem o prenúncio de uma nova consciência cósmica que trará a paz e a harmonia aos hipócritas de sua própria espécie. Enquanto isso, consumirão locamente em seus shoppings e entoarão hinos e mantras.

Sim, até dezembro e além dele, ainda ouviremos os gritos e lamentos. Gritos de dor e desespero diante das catástrofes que chegam e chegarão de surpresa, seja aqui ou ali, seja em minha cidade ou na sua. Ouviremos o lamento e o choro dos familiares das vítimas enterrando seus mortos. Talvez ouviremos nossos próprios gritos e lamentos. Mais uma vez, para estes, para nós, terá sido o fim do mundo. Não são premonições, nem profecias, é apenas a realidade, a verdade que nos espera todos os dias e sempre nos encontra na indiferença diante de tudo.
Sim, os gritos e lamentos serão ouvidos, mas nenhum nova consciência cósmica ou seja lá que merda irá surgir. A velha consciência do quem pode mais, quem tem mais, quem pode ter mais e ser melhor, nunca irá morrer. Nada vai mudar. Os gritos e lamentos continuarão a ser ouvidos sempre, tanto quanto o barulho da destruição, mas nada fará algo mudar,  a destruição que todos são responsáveis de estarem criando, dia a dia mais e mais será eterna.

Sim, até dezembro e além dele, ainda ouviremos os gritos e lamentos. Gritos de jovens sendo massacrados por jovens lunáticos, enlouquecidos pela falta de amor e sem nehuma compaixão. Enlouquecidos pelo vazio de suas almas, um vazio criado pelo próprio homem. escutaremos os gritos e lamentos de seus pais chorando sobre seus corpos, pela vida interrompida bruscamente pela falta de compreensão e indiferença.
Os gritos virão de escolas, de cinemas, de shoppings e de universidades. A morte virá de surpresa, sem aviso prévio e sem nenhuma piedade. Psicológos irão tentar justificar, criarão mil teorias, mas nenhum deles será capaz de dizer, que a razão é bem mais simples, a razão é que Deus foi esquecido. O respeito pela vida foi esquecido, o valor de uma vida nada mais significa para estes jovens, tanto as vítimas, quanto os que apertam o gatilho ou se explodem no caos do vazio de suas mentes. Mais uma vez alguns dirão, que é esta a nova consciência cósmica que se aproxima.
Mais uma vez, Deus nem sequer será mencionado, sua bondade, seus ensinamentos apenas caem no esquecimento.

Sim, até dezembro e muito além dele, ainda ouviremos os gritos e lamentos. Os gritos e lamentos de vítimas de terroristas, enlouquecidos pela falta de fé a qual ousam chamar de fé verdadeira. Enlouquecidos pela injustiça, pela arrogância de seus lideres e pela cegueira da própria loucura.
Ouviremos as explosões, contaremos os mortos e os somaremos às estatísticas. Gritos de homens, mulheres e crianças morrendo e os lamentos dos que ficam para velar. Mas a injustiça se tornará ainda mais implacável, pois enquanto esperam pela nova consciência "cósmica", mais uma vez se afastam de Deus, do Deus que nos deixou lições e nos alertou e alerta a todo instante, que basta um pouco de amor e a tudo isto poderíamos evitar, basta amar e aceitar nosso próximo, olhar para ele e ver nosso próprio reflexo e semelhança. Bastaria isso, e nunca mais gritos e lamentos seriam ouvidos ou ecoariam por este pequeno mundo.

Sim, até dezembro e muito além dele, ainda ouviremos os gritos e lamentos. Gritos de mulheres e crianças injustiçadas, perseguidas e humilhadas. Crianças e mulheres violentadas de todas as formas, sejam de corpo ou alma, seja por preconceito, pela fome, pela indiferença ou falta de direitos, igualdade e dignidade.
E tudo isto será para eles o que chamamos de fim do mundo. E tudo isto irá acontecer enquanto milhares estarão olhando para o céu esperando ver Nibirú ou Elemin chegarem e outros entoando canticos por uma nova consciência cósmica.
A hipocrisia não tem mais volta. Jogamos não apenas a dignidade, a honra, a moral e  a honestidade no lixo, jogamos também a misericórdia, o próprio Deus e o mundo no lixo com a nossa cada vez maior indiferença. Nos tornamos hipócritas solitários, que sorriem diante de cameras, fingindo o que não somos e nunca seremos,  enquanto nos corroemos de mágoas no interior de nós mesmos.

Sim, até dezembro e além dele, também haverão gritos e lamentos que sequer serão ouvidos. Gritos de desespero de criaturas inocentes, bebes e animais abandonados à própria sorte. Jogados no lixo, enterrados vivos, ignorados e desprezados. A maioria estará ocupada e indiferente demais com estes gritos. Ocupada em sua avareza e importãncia do ter e ser. Do eu sou isso, eu sou aquilo, eu tenho isso e tenho aquilo, eu quero comprar isso e aquilo. Enquanto silencia o grito dos inocentes, eles gritam numa falsa alegria para esconder a sua própria vergonha e solidão. Esperam ansiosos pela nova consciência "cósmica", que não sabem eles, nunca virá.

Sim, até dezembro e além dele, também haverá gritos e lamentos que sequer serão ouvidos. Gritos da natureza sendo dizimada. O desespero da vida selvagem morrendo sufocada no óleo derramado em seu habitat. Morrerão sem sequer saber a razão, sem entender. O grito silencioso dos oceanos e rios sendo assassinados pela indiferença da grande consciência cósmica. Gritos de árvores que queimam em silêncio, árvores cortadas e pisoteadas. A grande consciência cósmica chamará a tudo de "desenvolvimento sustentável" e reuniões serão feitas em prol do "progresso". Estes gritos e lamentos jamais serão ouvidos. O barulho dos shoppings impedirá que sejam ouvidos.

Faltam 174 dias para o fim do mundo? Faltam 174 dias para uma surgir uma nova consciência cósmica ou seja lá que merda for?

O fim do mundo é um pouco a cada dia, o final dos tempos é o  agora de todos os dias.
Mas mesmo parecendo rápido, será cada vez mais lento e doloroso, mais e mais gritos e lamentos se farão ouvir e milhares de gritos e lamentos jamais sequer serão ouvidos. Até que se façam ouvir os gritos da indiferença, mas os lamentos chegarão tarde demais.
Quando os gritos começarem a se tornar blasfemias e se dirigirem diretamente ao Deus esquecido, ai sim, os que sobrarem, estarão diante do verdadeiro fim.

(Siegmar)

Nenhum comentário:

Postar um comentário