''DO NOT ABANDON YOUR BEST FRIEND''

O CÃO É O ÚNICO QUE NÃO SE IMPORTA SE VOCÊ É RICO OU POBRE, BONITO OU FEIO. O CÃO É O ÚNICO QUE REALMENTE SENTE A TUA AUSÊNCIA E SE ALEGRA DE VERDADE COM O TEU RETORNO, PORTANTO, JAMAIS ABANDONE SEU MELHOR AMIGO.



UM RAIO DE LUZ

''UMA ANTIGA LENDA DIZ QUE QUANDO UM SER HUMANO ACOLHE E PROTEGE UM CÃO ATÉ O DIA DE SUA MORTE, UM RAIO DE LUZ, QUE NÃO PODEMOS ENXERGAR DESTE PLANO DA EXISTÊNCIA, ILUMINA O CAMINHO DESTE SER PARA SEMPRE!''




segunda-feira, 15 de abril de 2013

A MARATONA DA MORTE / O SILÊNCIO QUE ANTECEDE O DESESPERO

Ainda no sábado escrevi sobre as lágrimas da velha senhora desconhecida.

Sabia do mal que estava para chegar, mas dizer o que vi, seria insano. Ví as lágrimas e os gritos, como disse, eu queria ajudar a enxugar as lágrimas da velha senhora, mas não podia.

São sempre os inocentes que pagam com suas vidas a ignorância que não se pode explicar.

O que está acontecendo com o nosso mundo? O que estamos fazendo, o que estamos deixando acontecer mais e mais?

Uma maratona que deveria ser apenas de alegria, vencedores e troféus, se tornou numa maratona da morte.

Sim, mais uma vez eu vi acontecer, sabia que iria acontecer, sábado escrevi sobre o silêncio que antecede o desespero. Nem sempre entendo minhas visões, nem mesmo sei se são visões ou apenas
sensações do que esta por acontecer, nem sei se não é apenas a minha imaginação diante dos horrores de cada dia, diante da impunidade, da indiferença e de tanta covardia e ignorância.
Não creio que seja uma benção, pois em geral elas me amedrontam, pois me mostram lugares que não conheço, nem me fornecem datas e horários, apenas me dizem que tudo está muito próximo, sempre muito próximo.

"Será apenas visaõ? Mas por qual razão se apresenta sempre tão forte e evidente?
Gostaria de poder dizer o que vejo e pressinto, dizer o dia, a hora e o lugar, mas sombras da realidade me impedem de falar.
Dizer seria parecer insano, estranho a este mundo e motivo de piada para alguns que jamais iriam entender. E  tudo está tão próximo, tão assustadoramente próximo.

Mas resta assim, apenas esperar e deixar acontecer, depois, juntar os pedaços e tentar compreender, reconstruir e recomeçar." 

Foi com estas palavras entre aspas acima que terminei minha postagem sobre o silêncio, sobre a minha visão que no sábado registrei e, é com estas palavras que termino esta postagem.
Me chamem de insano, de estranho, mas eu sei, eu vejo e percebo. Dom ou maldição, quem sabe, tenho medo de algumas coisas que vejo, me sinto impotente e também indefeso, indefeso como as lágrimas da velha senhora desconhecida que não pude ajudar a enxugar, muito menos ajudar a evitar.
(Siegmar)

Nenhum comentário:

Postar um comentário