''DO NOT ABANDON YOUR BEST FRIEND''

O CÃO É O ÚNICO QUE NÃO SE IMPORTA SE VOCÊ É RICO OU POBRE, BONITO OU FEIO. O CÃO É O ÚNICO QUE REALMENTE SENTE A TUA AUSÊNCIA E SE ALEGRA DE VERDADE COM O TEU RETORNO, PORTANTO, JAMAIS ABANDONE SEU MELHOR AMIGO.



UM RAIO DE LUZ

''UMA ANTIGA LENDA DIZ QUE QUANDO UM SER HUMANO ACOLHE E PROTEGE UM CÃO ATÉ O DIA DE SUA MORTE, UM RAIO DE LUZ, QUE NÃO PODEMOS ENXERGAR DESTE PLANO DA EXISTÊNCIA, ILUMINA O CAMINHO DESTE SER PARA SEMPRE!''




sábado, 13 de abril de 2013

HINO NACIONAL - 104 ANOS - UMA CANÇÃO PARA O BRASIL - E UMA REFLEXÃO

Será que as palavras do nosso grandioso e belo Hino ainda representam a verdade e a nossa realidade? Aproveitando este excelente artigo do jornal Gazeta do Povo de hoje, deixo ao final uma pequena reflexão para todos. Precisamos resgatar o que foi e está sendo jogado no lixo.
 
O autor da letra



Joaquim Osório Duque Estrada era formado em Letras e poeta. Seu primeiro livro foi publicado em 1887, sob o título Alvéolos. Entre 1891 e 1924 colaborou em vários jornais cariocas, entre os quais Correio da Manhã e O Imparcial. Atuou também como crítico literário do Jornal do Brasil. Em 1909, vence o concurso, criado por lei de autoria de Coelho Neto, para “a melhor composição poética que se adapte, com todo o rigor do ritmo, à música do Hino Nacional Brasileiro”. Também compôs as peças teatrais e em 1916 foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras.






                        O autor da melodia


Nascido no Rio de Janeiro, Francisco Manuel da Silva foi maestro, compositor e autor da melodia do Hino Nacional Brasileiro. Foi nomeado cantor da Capela Real (1809), depois integrou a orquestra da mesma instituição como timbaleiro (1823) e após, como segundo violoncelo (1825) na corte de dom João VI. Também tocava violino, piano e órgão, além de organizar e dirigir conjuntos musicais. Fundou o Conservatório de Música, embrião do Instituto Nacional de Música, que deu origem à Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro.







HINO NACIONAL
Parte I
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heróico o brado retumbante,
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da pátria nesse instante.
Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte,
Em teu seio, ó liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!
Ó Pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!
Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à terra desce,
Se em teu formoso céu, risonho e límpido,
A imagem do Cruzeiro resplandece.
Gigante pela própria natureza,
És belo, és forte, impávido colosso,
E o teu futuro espelha essa grandeza.
Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!
Parte II
Deitado eternamente em berço esplêndido,
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminado ao sol do Novo Mundo!
Do que a terra, mais garrida,
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores;
"Nossos bosques têm mais vida",
"Nossa vida" no teu seio "mais amores."
Ó Pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!
Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga o verde-louro dessa flâmula
- "Paz no futuro e glória no passado."
Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.
Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!
 
 
A matéria sobre a história do nosso Hino pode ser lida na íntegra na edição de hoje do jornal Gazeta do Povo.
 
Mas infelizmente, atualmente  as belas palavras deste grandioso Hino a cada dia são mais enlameadas e mostram uma cruel e suja realidade.
Soam falsas, mentirosas e hipócritas. Foram transformadas assim com o passar dos anos e hoje, são apenas belas palavras e estrofes. Nos últimos treze anos foram praticamente destruídas de vez.

As margens plácidas de nossos rios e riachos se transfromaram em esgotos a céu aberto.
 
Amor, esperança, igualdade e liberdade viraram apenas palavras nossos filhos hoje fogem da luta, se entregam aos inimigos, e os pouco que ainda lutam mendigam por alimentos enquanto os governantes corruptos os enganam e enganam o mundo. Igualdade?
 
E a clava forte da justiça não se ergue mais, se vendeu, se perdeu em meio a podridão.
Nossos bosques tinham mais vida, hoje mais e mais desaparecem, queimados e pisoteados, quase não mais existem.
E o que está acontecendo com o teu belo lábaro estrelado?
Estão preferindo um pano sujo, vermelho com a cor do sangue com apenas uma estrela e com as letras de
PODRIDÃO E TRAIÇÃO.
Ainda és e sempre serás a minha Mãe Gentil, sempre te amarei, mas infelizmente os filhos que te governam, não posso mais respeitar. Pois de ti eles debocham, de nós eles debocham,  eles me envergonham, envergonham meus irmãos, mesmo aqueles que não percebem ou parecem não se importar. Não te consideram sua Mãe, sua mãe se chama Cuba.
Para eles não és a Mãe, nunca fostes, nem serás.
Mas um dia o sol voltará a brilhar e sempre existirão os  filhos que eternamente vão te amar.
 
PATRIOTISMO, AMOR, RESPEITO, DIGNIDADE,IGUALDADE, JUSTIÇA E LIBERDADE
Estas são palavras que estão destruindo, substituindo por PODRIDÃO e TRAIÇÃO. PT
 
Sempre te amarei minha Pátria querida!
(Siegmar) 

Um comentário:

  1. Belíssima reflexão. Nem os símbolos da Pátria são mais respeitados. Nossos jovens nem os conhecem porque nas escolas não se toca mais nesse assunto. Excluíram OSPB para que os jovens brasileiros não tenham noção do que é dirigir uma nação com decência. Hoje nenhum jovem respeita a Bandeira Nacional nem o Hino. Que horror!

    ResponderExcluir